Artigo

HMNY – o nexo lucro-investimento: Keynes ou Marx?



Por Michael Roberts

Publicado originalmente no The Next Recession

Data 25/04/17

Tradução de Wesley Sousa


Os principais temas da conferência do Materialismo Histórico deste ano em Nova York * na semana passada foram a Revolução Russa e as perspectivas de mudança revolucionária cem anos mais tarde.

Mas o meu principal interesse, como sempre, foi a relevância da teoria econômica marxista na explicação do estado atual do capitalismo global – se você quiser, compreendendo as condições objetivas para a luta para substituir o capitalismo por uma sociedade socialista.

Sobre esse tema, em sessão plenária, o Professor Anwar Shaikh da New School for Social Research (um dos mais eminentes economistas heterodoxos dali) e eu olhamos para o estado da atual situação econômica para o capitalismo moderno. Anwar concentrou-se nos principais pontos de seu livro massivo com título “Capitalismo”, publicado no ano passado – o culminar de 15 anos de pesquisa por ele. Este é um grande trabalho de economia política em que Anwar usa o que ele chama de abordagem clássica de Adam Smith, David Ricardo e Karl Marx (e às vezes Keynes) sob um guarda-chuva (não especificamente marxista aparentemente). Seu livro é leitura essencial (e eu a revisei aqui) e também ver a série de palestras que ele fez para acompanhá-la.

Seus principais pontos no plenário foram enfatizar que o capitalismo não é um sistema que começou como competitivo e depois se desenvolveu em capitalismo monopolista, mas é uma turbulenta “competição real”. Nunca houve concorrência perfeita como a economia dominante, ou seja, implica a partir da qual podemos olhar para ‘imperfeições’ como o monopólio.

Anwar continuou dizendo que as crises sob o capitalismo são o resultado da queda da lucratividade ao longo do tempo em uma longa onda descendente (ver gráfico comparando minhas medidas com Shaikh). O período neoliberal do início dos anos 80 foi resultado da rejeição da economia keynesiana e do retorno da teoria neoclássica e da substituição da gestão fiscal da economia, que não estava funcionando, com o monetarismo dos gostos de Milton Friedman. Mas mesmo as políticas neoliberais não poderiam evitar a Grande Recessão. E desde então, não houve uma recuperação completa para o capitalismo. Injeções monetárias massivas evitaram a destruição dos valores de capital, mas à custa da estagnação.




Na minha contribuição, enfatizei os pontos de meu livro “The Long Depression”, que também viu a crise atual como resultado da lei de rentabilidade de Marx em operação. Argumentei que a economia dominante não conseguiu ver a queda, não poderia explicá-la, e não tem políticas para sair da longa depressão que se seguiu desde 2009, porque eles não têm nenhuma teoria real de crises.

Alguns negam crises em tudo; alguns afirmam que são devidos a banqueiros gananciosos imprudentes; ou ‘mudar as regras do jogo’ pela desregulamentação do setor financeiro causando instabilidade; Ou devido à crescente desigualdade espremendo a demanda.

Em minha opinião, nenhuma dessas explicações é convincente. Mas nem as alternativas que são oferecidas dentro do movimento operário. Anwar estava certo que a economia neoclássica domina novamente na economia dominante, mas eu queria destacar que a economia keynesiana é dominante como a teoria alternativa, a análise e a prescrição de políticas no movimento trabalhista. E, em minha opinião, o keynesianismo era tão inútil na previsão ou explicação de crises e, assim, são suas prescrições políticas.

Na verdade, esse foi o ponto principal no documento que eu apresentei em outra sessão na HM, na qual Anwar Shaikh foi o discutidor. Em meu artigo, intitulado O nexo de investimento: Marx ou Keynes? (The profit investment nexus, Michael Roberts HMNY, abril de 2017), eu argumentava que é o investimento das empresas, não o consumo doméstico, que impulsiona os booms e os declínios da produção sob o capitalismo. Para os keynesianos crus, é o que acontece com a demanda dos consumidores, mas a análise empírica mostra que antes de qualquer recessão maior, é o investimento que não cai no consumo e, de fato, muitas vezes não há queda no consumo – o gráfico abaixo mostra que o investimento caiu muito mais do pico do boom para o auge da queda nas recessões pós-guerra nos EUA.



Além disso, o que impulsiona o investimento empresarial é o lucro e a rentabilidade, não a “demanda efetiva”. Isso porque os lucros não são um “produto marginal” do “fator do capital”, como considera a economia marginalista dominante (que Keynes também considerou). Os lucros são o resultado do trabalho não remunerado na produção, parte da mais-valia apropriada pelos capitalistas. Os lucros vêm primeiro antes do investimento, e não como um resultado marginal do investimento de capital. No artigo, mostro que as chamadas macro-identidades keynesianas usadas nos livros de economia clássica não revelam que a conexão causal não é do investimento para a poupança ou lucro, mas dos lucros para o investimento. O investimento não causa lucro, como argumenta a teoria keynesiana, mas os lucros geram investimentos.

Shaikh comentou em sua contribuição que Keynes também estava bem ciente de que os lucros eram relevantes para o investimento. Isso soa contraditório com o que estou discutindo. Mas deixe o próprio Keynes resolver como ele viu, quando ele diz que “Nada, obviamente, pode restaurar o emprego que primeiro não restabelece os lucros das empresas. No entanto, nada no meu julgamento pode restaurar os lucros das empresas que não primeiro restaurar o volume de investimento”. Para responder a Keynes, meu artigo mostra que há uma abundância de evidências empíricas para mostrar que os lucros levam o investimento para qualquer queda e para fora em um boom – a visão marxista. E há pouca ou nenhuma evidência de que o investimento gere lucros – a visão keynesiana.

Shaikh na HM argumentou que são os “lucros da empresa” que não importam lucros como tal. Com isso, ele significa que os juros ou aluguel tomados pelo capital financeiro e os proprietários devem ser deduzidos antes de podermos ver a conexão direta entre os lucros das empresas e o investimento das empresas. Talvez assim, mas a evidência é também forte que a mais-valia total nas mãos do capital (incluindo o capital financeiro) é a força motriz por trás do investimento. Os juros e aluguéis nunca podem ser maiores que o lucro, pois são deduções dos lucros totais feitos pelo capital produtivo.

Também Shaikh calcula que são expectativas de lucros futuros em novos investimentos que são decisivos no movimento do investimento empresarial, não a massa ou a taxa de lucro sobre o estoque existente de capital investido. Sim, os capitalistas investem na expectativa de lucro, mas essa expectativa se baseia no que era a sua rentabilidade real antes. Portanto, a rentabilidade do capital existente é o que importa. Caso contrário, a expectativa de lucro torna-se uma medida subjetiva efêmera, como os espíritos animais de Keynes. Na verdade, como cito Paul Mattick no meu artigo, “o que devemos fazer de uma teoria econômica...” que poderia declarar; “Ao estimar as perspectivas de investimento, devemos ter em conta, portanto, os nervos ea histeria e as digesões e reações ao clima daqueles cuja atividade espontânea depende em grande parte” (Keynes).

Meu artigo conclui que diferentes conclusões de política econômica fluem da visão marxista ou keynesiana do que impulsiona o investimento. O multiplicador keynesiano calcula que é a demanda que impulsiona o investimento e se a demanda de consumo e de investimento é [alta ou] baixa, um impulso adequado do investimento e dos gastos do governo pode compensar e assim impulsionar ou impulsionar a economia capitalista de volta aos seus pés.

Mas quando estudamos a evidência da eficácia do multiplicador keynesiano, como faço neste artigo, não é convincente. Por outro lado, o multiplicador marxista, ou seja, o efeito das mudanças na rentabilidade do capital empresarial sobre o investimento e o crescimento econômico, é muito mais convincente. Assim, as políticas de estímulo fiscal e monetário keynesianas não funcionam e não proporcionam recuperação econômica quando a lucratividade do capital é baixa e/ou em queda. Na verdade, eles podem piorar as coisas.

No plenário, eu indiquei que Donald Trump planeja alguma forma limitada de estímulo keynesiano pelos gastos do governo em programas de infraestrutura no valor de cerca de US $ 250 bilhões. Já discuti esses planos e sua natureza falsa antes. Mas mesmo que fossem aumentos genuínos no investimento do Estado, fará pouco. O investimento empresarial como parte do PIB na maioria das economias capitalistas avançadas é cerca de 12-18% do PIB. Investimento do governo é de cerca de 2-4%, ou quatro a seis vezes menos. Isso não é surpreendente, pois são economias capitalistas! Mas isso significa um aumento de apenas 0,2% do PIB no investimento do governo, como Trump propõe fará pouca diferença, mesmo se o “efeito multiplicador” desse investimento sobre o crescimento do PIB for mais de um (e as evidências sugerem que será pouco mais, LEEPER_LTW_FMM_Final).

O que interessa ao capitalismo é o lucro, porque o modo de produção capitalista não é apenas uma economia monetária como enfatiza a teoria keynesiana; é, sobretudo, uma economia monetária. Assim, sem aumento da rentabilidade, o investimento capitalista não vai subir. Esse ponto-chave foi o ponto de partida de outra sessão sobre o excelente livro de Fred Moseley, Dinheiro e Totalidade, que explica e defende a análise de Marx sobre a acumulação de capital, suas leis de valor e lucratividade, de interpretações concorrentes e distorcidas. Eu revisei o livro de Moseley em outro lugar.

Mas os pontos-chave relevantes para este artigo são que Moseley mostra que não há problema de conciliar a lei de valor de Marx (baseada em todo o valor criado pela força de trabalho) com os preços relativos da produção e da lucratividade numa economia capitalista. Não há necessidade de “transformar” os valores do trabalho em preços monetários de produção, à medida que Marx inicia o circuito de produção com entradas de dinheiro e termina com (mais) saídas de dinheiro. A lei do valor e da mais-valia forneceu a explicação de como mais dinheiro resulta – mas nenhuma transformação matemática é necessária.

Mas isso também significa que, para que a lei de valor de Marx sustente e para que o valor total explique os preços totais (e para a mais-valia total para explicar os lucros totais), somente o trabalho pode ser a fonte de todo o valor criado. Não pode haver lucro sem mais-valia. É por isso que discordo da opinião de Anwar Shaikh que Marx também reconheceu o lucro da “alienação” ou transferência. Eu expliquei onde eu discordo aqui.

O risco de aceitar esse lucro pode vir de outro lugar que não seja a exploração da força de trabalho é que ele abre a porta para as falácias da economia dominante, particularmente a economia keynesiana, a criação de dinheiro ou crédito pode gerar mais renda (demanda) e não é Valor fictício, mas real. Se isso fosse verdade, então o monetarismo e as políticas keynesianas tornar-se-iam teoricamente opções válidas para acabar com a atual depressão e depressões futuras sem substituir o modo de produção capitalista. Felizmente, a visão que os lucros podem ser criados a partir do dinheiro e não explorando o trabalho é comprovadamente falsa.


Sobre o autor: Michael Roberts é economista. Trabalhou na cidade de Londres por mais de trinta anos. Ele é o autor de “The Great Recession: uma visão marxista”, e mais recentemente, “The Long Depression”.


Nota:

HMNY = Conferência intitulada “Materialismo Histórico de Nova Yorque 2017”



0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.